Fechar [x]

IPOs e agenda macroeconômica tiveram destaque no segundo dia do 21º Encontro Internacional de Relações com Investidores & Mercados de Capitais

Contexto macroeconômico, marcos regulatórios, impacto da transformação digital na área de Relações com Investidores e papel do profissional de RI em processos de abertura de capital foram alguns dos temas discutidos no segundo dia do 21º Encontro Internacional Relações com Investidores & Mercados de Capitais, realizado nesta quinta-feira (27), no WTC, em São Paulo.

O evento teve a participação do Secretário Especial de Desestatização e Desinvestimento do Ministério da Economia, Salim Mattar, que proferiu a palestra “Privatização: onde estamos e para onde iremos?”. No discurso, o Secretário analisou o cenário macroeconômico, utilizou índices de desempenho para comparar a posição do Brasil com a de outros países e apresentou um balanço sobre as estatais – ao todo, são 134 estatais federais, somando 440 no país – e as etapas necessárias para a desestatização e redução da máquina pública.

A desestatização também foi defendida pelo Secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, que conduziu a palestra “Ações do Governo para a Retomada do Mercado de Capitais em Prol do Desenvolvimento do País”. Além da importância da iminente reforma da previdência, Almeida reforçou a necessidade da reforma tributária, do corte de gastos do governo, do controle dos salários de servidores públicos e do corte dos concursos públicos, tendo em vista o equilíbrio fiscal, a retomada da economia e a possibilidade da redução da taxa de juros.

Novos IPOs e acesso de pequenas e médias empresas ao mercado de capitais

O atual cenário do mercado de capitais foi analisado no painel mediado por Felipe Paiva, Diretor de Relacionamento com Clients Brasil da B3. Em “Novos IPOs – Desafios e oportunidades”, o CEO da Centauro, Pedro Zemel, compartilhou como foi feito o processo de abertura de capital, o contato feito com potenciais investidores, a estruturação da área de relações com investidores e o relacionamento com assessorias externas que apoiaram o IPO da companhia. Por sua vez, Claudia Biolchini, Chefe de Depositary Receipts no Brasil do BNY Mellon, abordou os benefícios com relação à dupla listagem. Considerando o contexto e as perspectivas de aumento de IPOs no Brasil, o especialista em direito societário, Carlos A. Junqueira, sócio da Cescon, Barrieu & Barreto Advogados, reforçou a importância da educação e da participação de pessoas físicas no mercado de capitais.

O painel “Pequenas e Médias Empresas: Medidas para Facilitar o Acesso ao Mercado de Capitais Brasileiro” foi mediado pelo Gerente de Operações da Abrasca, Ricardo Rosanova Garcia. Os palestrantes abordaram governança, a questão regulatória, principalmente a instrução CVM 588, e formas de captação de recursos para pequenas e médias empresas, entre elas o crowdfunding. Participaram do painel: Greg Kelly (CEO da EQSEED), Gustavo Barreira (CEO da Cervejaria Leuven), Lucas Borges (Membro do Conselho do Grupo Luxor) e Rafael Calábria (Sócio da BMA Advogados e Diretor da Abrasca).

Painel aborda temática ESG

As questões socioambientais e de governança foram abordadas no painel “ESG – Novas Dimensões que Criam Valor”, mediado por Paulo de Sá Pereira, Gerente Executivo de Renda Variável da Funcesp, que ressaltou a importância do assunto para a análise de fatores de risco e a contribuição para melhoria da reputação, da percepção sobre a marca e, consequentemente, dos resultados.

Os palestrantes Bruno Salem Brasil, Gerente de RI da Itausa, e Paulo Geraldo Polezi, Diretor de Finanças e Relações com Investidores da WEG, concordaram que é fundamental reportar informações de ESG via relatório anual de sustentabilidade ou relato integrado, tido pelo mercado como um diferencial, por garantir a transparência e a publicação de indicadores que corroboram a análise de dados pelo investidor. Para dar mais transparência ao mercado, a Fitch Ratings criou um sistema de pontuação com 14 quesitos sobre aspectos ambiental, social e de governança, para evidenciar como esses temas influenciam no rating da companhia.

Pesquisa IBRI & Deloitte: papel estratégico do RI

O painel “Novo Ecossistema das Relações com Investidores: Tecnologia e Comunicação na Era dos Negócios Digitais” contou com a participação de Guilherme Setubal, Diretor-Presidente do IBRI, e de Ronaldo Fragoso, Sócio-líder do Centro de Excelência Regulatória e Governança Corporativa. Os participantes apresentaram os resultados de uma pesquisa conduzida em parceria entre o IBRI e a Deloitte, que mapeou o impacto da transformação digital para a área de RI, além do perfil desse profissional e a perspectiva de transformação de uma atuação operacional para estratégica. Clique aqui para saber mais.

Educação financeira

A participação de pessoas físicas no mercado foi abordada no painel “Educação Financeira como Ferramenta de Atração de Investidores Pessoa Física para o Mercado”, mediado por Christiane Assis, Diretora de RI da JBS. No debate, José Alexandre C. Vasco, Superintendente de Orientação e Proteção aos Investidores da CVM, e Alessandra Borges, Gerente de Desenvolvimento de Empresas da B3, reforçaram a importância da educação financeira por meio de uma comunicação acessível. O desafio, segundo o Professor da FGV, Joelson Sampaio, é converter conhecimento em ação e disciplina de investimento, para que haja crescimento sustentável dos aportes em mercado de capitais.

Saiba mais

O conteúdo audiovisual de todos os painéis do 21º Encontro Internacional Relações com Investidores & Mercados de Capitais ficará disponível no site do evento.